Era para eu ter escrito esse artigo há meses, desde o momento que eu cheguei aqui até hoje, mas como tudo não é como queremos, essa postagem vai sair no momento certo.

Foto: Carol Pinheiro

Fazem 5 meses que eu estou aqui em Dublin e muita coisa mudou, para melhor, claro. Fiz novos amigos, explorei novos lugares e estou trabalhando, tudo está perfeito, mas até tudo isso se encaixar, levou um certo tempo.

Nos primeiros dois meses eu decidi estudar e estudar muito, para que eu conseguisse levar as coisas com mais tranquilidade. No terceiro mês eu já estava apta para começar a trabalhar sem medo de falar.

Consegui um emprego temporário como Au pair, com o dinheiro ganho eu consegui pagar meu aluguel. Mas eu precisava de um fixo, foi então que uma amiga (Thaís) me indicou no hotel que ela trabalha e eu fui chamada para a entrevista. Confesso que fiquei muito nervosa e mal consegui me expressar para o meu atual chefe. Saí de lá desacreditada, porque passei dois meses focada nos estudos e naquele momento nada foi como eu esperei.

Não tive resposta nos primeiros dias, mas eu tive um trabalho temporário nesse tempo. Minha outra amiga (Daiana) me indicou e eu cobri férias da companheira dela de trabalho e com isso também tive dinheiro suficiente para metade do meu aluguel. Mas comecei a me desesperar, foi então que um mês depois, recebi a ligação do hotel pedindo referências do Brasil para eles me contratarem.

Eu fiquei em choque, porque eu não esperava retorno deles depois de um mês, mas tudo foi bem e hoje trabalho lá com muita alegria.

Mas eu comecei a perceber que não foi legal ficar “presa” por 2 meses para estudar, porque eu só estudava para mim e não praticava com ninguém. Depois que comecei a sair, frequentar os maravilhosos cafés aqui de Dublin, eu pude perceber que podemos apreender no dia a dia sem perceber.

O intercâmbio tem mudado minha vida da água para o vinho, hoje eu não sou mais a mesma. Comecei a me redescobrir, comecei a perceber tudo ao meu redor, como as pessoas agem, como o clima age, como um pequeno elogio no trabalho faz diferença, coisas pequenas que muitas vezes não conseguimos perceber no Brasil.

Foto: Carol Pinheiro

Eu sinto muita saudade do meu país, mas percebi que aqui eu consigo viver muito mais que lá, que eu posso aproveitar muito sem gastar muito, sem se “matar” de trabalhar, apenas vivendo. Ainda tem muito caminho para percorrer e eu posso dizer que estou muito satisfeita com tudo que eu fiz até hoje.

Posted by:Carol Pinheiro

26 anos, designer de interiores, ama animais, bichinhos de pelúcia e videogame. Espia o blog, porque tem muita diversidade e assuntos interessantes para compartilhar com vocês.